[ editar artigo]

Até que o ciúme nos separe

Até que o ciúme nos separe

Uma paciente sofre muito por temer uma traição do namorado. Eles namoram à distância então ela fica maluca. Liga sem parar, quer ter notícias toda hora. Ele tem uma amiga que é garota de programa que traz muita desconfiança e medo de ele se envolver com ela.

Todos os fins de namoro dela foram trágicos (traições e morte repentina).

Ela é madura, independente, saiu de casa cedo, estudou, batalhou. Os pais a veem como a filha que dá conta de tudo e portanto não tem que se preocupar com ela. Tem uma irmã mais velha que nasceu doentinha, então exigiu muitos cuidados, pode ser daí que iniciou uma carência. E depois veio a irmã mais nova, caçulinha.

No celular do namorado, ela encontrou mensagens de conversa com mulheres. Mas que não tinha acontecido nada. Elas procuram ele, mas não parece ter tido traição. Ela fica mal porque gostaria que ele tivesse cortado as procuras, mas ele não faz isso. Ela me contou que ele é muito vaidoso. Pensei que pode ser que goste dessas mensagens por vaidade mesmo.

Ela faz tudo pra ele, até trabalhos acadêmicos dele. Deixa de fazer coisas que ela tem vontade pra fazer favor pra ele. Ela faz tudo pra ele, paga conta, tudo pra ele, nas palavras dela ”pra ele não ter nenhuma dificuldade na vida”.

E ela está obsessiva com ciúmes. Fica pensando que a qualquer momento pode ser traída e que não vai suportar essa perda. Diz que sente que os dois tem uma ligação muito forte, que não parece ser dessa vida.

Pelo que já estudei com você Sônia, ela me parece ter aquela fonte única de nutrição, e que manipula e cobra, deve sufocar muito. Mas não estou conseguindo avançar, por causa dessa obsessão dela.

Eu não sei como ele aguenta, e já fico pensando que ele vai romper esse namoro. 

RESPOSTA SONIA: Raissa, toda obsessão vem do medo. Aparentemente ela é independente e batalhadora, mas você precisa olhar esta infância. Há situações que a levaram a ser independente antes da hora, suportar um peso que precisava dividir. Pesquise a infância. Ela expressa um grande desamparo que leva a uma agonia no sentido que explico no curso ( Percurso Clinico). Tornou-se paranóica e obsessiva.  Porque lhe faltou suporte em algum momento em que tinha direito a este suporte por parte dos que cuidavam dela. Seu papel de terapeuta, com certeza não é fazer com que esse namoro dê certo. Senti que você tem medo que ela cobre de você a perda do namorado.  Ela se sacrifica não é como oferta e doação, mas como investimento para evitar perda, traição, desprezo, etc. E para ter direito a controla-lo. 

Ela precisa compreender que amor é oferta. Sempre. E oferta  é o que se oferece com generosidade e caridade. O amor dele ela também tem que entender que é oferta, ou seja o que vem ela recebe, porque ele lhe oferece. Não pode ser cobrado ou exigido, sobre ele não pode cair suspeitas ou desconfianças. Ninguém tem este direito de controlar o outro. O amor é filho da liberdade e assim precisa ser vivido.  E se ela não aguenta viver esta instabilidade que o amor romântico traz, porque é o amor mais instável, porque depende de um encanto que pode se romper, precisa fortalecer seu eu. Ela precisa ter consciência da dor que sentiu por ter que amadurecer prematuramente. Como reprimiu o anseio de ser cuidada, ser olhada, ser amparada.  E na relação com você precisa ir criando musculatura no eu, para que ele possa viver este namoro. O fato de namorar não pode e não deve impedi-lo de ter amigas, contatos.  Ela é extremamente invasiva por conta do medo do abandono e do desamparo. Talvez esta irmã doente tenha precipitado este ambiente que demandou dela uma maturidade precoce. Não sei se faz sentido, mas essa a direção a seguir. Procurar as raízes desta vulnerabilidade que não se contem e se torna controle obsessivo do outro. Não importa se ele dá motivos, se há uma crise na relação que leva ele a se abrir para outras mulheres é preciso lidar com a crise da relação. Assim que vejo Raissa, você já foi atrás de eventos da infância em que não podia ser criança dependente? Em que se sentiu pouco amparada numa idade em que precisava muito deste amparo , suporte, sustentação?

ACADEMIA CLINICA
Raissa Schiavo
Raissa Schiavo Seguir

Terapeuta EFT e Optimal. Atendimento online e presencial. Contato: 34 98401-7739

Ler matéria completa
Indicados para você