[ editar artigo]

Como ajudar cliente que diz que já perdoou tudo?

Como ajudar cliente que diz que já perdoou tudo?

Estou atendendo uma cliente que sempre que conta algum episódio traumático, diz que já perdoou. Quando pergunto a nota do evento, é sempre 1 ou 2; se pergunto a emoção, sensação que vem ao contar o fato pra mim, diz não sentir nada. Quando falo que se ainda não é zero é porque temos algo a trabalhar, ela diz que já faz tanto tempo que não sente mais nada, que ela sempre procura perdoar tudo de ruim que já aconteceu. Usei a técnica do filme nesses eventos, mas ela alega não sentir nada, e que tá só me contando porque eu perguntei, pois não a incomoda.
Como ajudar essa cliente a se conectar com os eventos?

SONIA: Deu muita vontade de refletir com vcs sobre isso, que acontece muito!!! Se puder completar  me fala, Anna, qual a queixa da paciente? Por que buscou terapia? O que ela gostaria de melhorar ou curar? Mudar? Atingir? O melhor seria trabalhar em supervisão para compreender bem esta paciente especificamente. Vou falar de forma geral. Uma das formas de chegar nos eventos que ainda mobilizam o paciente é partir do sofrimento que ele nos traz. Como você ainda não me respondeu sobre isso, não posso te ajudar especificamente com ela. Mas posso afirmar que é partindo do que incomoda o paciente, do seu sofrimento que vamos encontrar eventos que mobilizam alguma emoção ainda. Podemos perguntar: há alguma situação vivida por você cujo tema tem a ver com o que hoje te incomoda? Por exemplo, alguém que sente insegurança econômica, ansiedade por não conseguir uma estabilidade, etc pode ter vivido uma falência do pai na infância.  E aí pode sentir algumas emoções quando se lembra de como esta falência aconteceu concretamente para ele. Teve que se despedir dos colegas, por exemplo, e ir para uma escola pública. Então, em primeiro lugar, é importante partir da queixa atual, da dor atual para ver que referência esta dor tem no passado.  É apenas uma dica de um caminho. 

Com o Optimal você pode tentar trabalhar de forma mais global o que ela sente agora, ligada a sua queixa e a sua busca de terapia.  Se é uma dor física ou emocional pode funcionar também e ela criando confiança em você vai podendo se abrir mais sobre seu passado. Perdoar o passado não é um ato mental, é uma experiencia complexa que envolve todo nosso organismo, inclusive a mente. Ela pode ter a intenção de perdoar tudo mas pode estar reprimindo sentimentos negativos porque não quer voltar ao passado.  Para mim voltar ao passado é uma etapa importante do processo terapêutico e algo me diz que ela tem muito ressentimento que sua mente decidiu que não existe. Temos esta liberdade de reprimir o que não achamos conveniente trazer para a terapia. 

Sugiro que faça supervisão porque vamos achar mais fácil um caminho.  Infelizmente os dados que me mostra são poucos para poder te ajudar mais! 
Lembrei de enfatizar: o perdão mental nada tem a ver com o perdão experiencial, vivido do fundo do coração. E sempre que estamos neste lugar temos dúvidas o quanto perdoamos e há sempre mais a perdoar. Algo me diz que este perdão muito convicto mantém sob repressão emoções de ressentimento. E  o quanto ela se perdoa do fundo da alma? Outra coisa que poderia perguntar pra ela: procura conectar com a criança que sofreu o evento x, o que ela sentiu? Tente apenas sentir o que ela sentiu e trabalha naquela criança que está dentro dela. Pode ser um caminho também. Recria os aspectos do evento... enfim. dicas genéricas. 

 

TODAS AS INFORMAÇÕES SOBRE OS CONTEÚDOS E PREÇOS DOS CURSOS DO  EFT OFICIAL ESTÃO AQUI. 

ACADEMIA CLINICA
Anna Carolina Ferreira da Rocha
Anna Carolina Ferreira da Rocha Seguir

Terapeuta de EFT e Optimal EFT Brasília - DF Sessões presenciais e online (61)99256-8050

Ler matéria completa
Indicados para você