[ editar artigo]

Esquentei a marmita para outro comer: raiva de si mesmo.

Esquentei a marmita para outro comer: 
raiva de si mesmo.

Respostas de Sonia Novinsky no final.

Um paciente de 45 anos carrega uma raiva há muito anos. Ele teve uma namorada na adolescência quando ele tinha 18 anos e, por ingenuidade, medo do pai dela, não tiveram relações sexuais. Ele queria muito mas por ela ser mais nova (14 anos) achava que era errado. Então, certo dia, um amigo contou que transou com ela. Ele se sente até hoje a pior pessoa do mundo. "Eu fui o cara mole que esquenta marmita para os outros comerem, o corno". Sente muita raiva dela, de si mesmo, do padre que falava que tinha que casar virgem... E relata que sente atração, até hoje, por meninas novas  da idade dessa namoradinha.  Mas nunca falou pra ninguém porque tinha medo de que isso parecesse pedofilia. 

Além de trabalhar os eventos específicos com EFT, como posso trabalhar essa raiva de si mesmo?

Resposta de Sonia: Raissa, infelizmente a gente não pode dar uma fórmula para trabalhar a raiva de si mesmo sem saber toda história do paciente, do nascimento até hoje.  Acho que é mais um caso para supervisão do que para uma pergunta aqui.  Mas vou dizer algo só a partir do que você escreveu:

Ele me parece se mover num universo cultural muito machista, que vê a mulher como algo a ser comido (veja metáfora da marmita). Ele nem fala "nós optamos por não ter relações."  A mulher é um objeto que cede para ser comida. Foi ele que não quis, segundo ele. E realmente eu acho que não teria o menor cabimento uma menina de 14 anos ter relações sexuais, risco de gravidez e erotização precoce. O amigo também se move num universo cultural machista, que veio dizer "comi o prato que era seu", para provocar inveja nele e se lambuzar de orgulho.

Precisa ressignificar tudo isso. Se sentir a melhor pessoa do mundo porque respeitou uma menina de 14 anos. Adiou um prazer por motivos éticos. O amigo quis inferioriza-lo dentro do universo machista mas se ele sair dele, o amigo se torna ridículo e anti ético.

Mulher é sujeito, é alguém que decide com o homem, que a gente respeita em todas idades e se o amigo teve relações com ela ainda menina, equivalendo isso a  uma comida esquentada por outro, a vergonha está com o amigo e não com ele.

A raiva de si mesmo que ele tem não sei que origem tem mas o revestimento desta raiva é esta crença de que o homem melhor é o que come primeiro ou come rápido enquanto os outros marcam bobeira.

Trabalhar esta raiva com Optimal, ressignificando sua visão do que ocorreu pode ajudar bastante.  Mas a origem desta raiva deve estar em eventos do passado, da infância. Que fazem ele presa fácil desta ideologia machista. 

E mais: ele carrega uma culpa visceral sobre sexualidade aliada a uma erotização bastante compulsiva, o que leva ele a desejar as meninas.  Tudo isso teve origem na infância, provavelmente. Se você investigar a infância, o lugar da sexualidade na infância, as crenças, eventuais questões sobre sexo na infância,  vai ver correlações entre esta queixa e seu passado. Se a família era muito religiosa e repressora da sexualidade, podem ocorrer esses desejos que se reprimem  (no caso justamente porque a menina tinha 14 anos) e esta raiva do paraíso perdido, aliada a muita culpa por uma visão distorcida do sexo, como algo proibido, meio do demônio, e possibilidades de dominar a mulher-objeto.

TODAS AS INFORMAÇÕES SOBRE OS CONTEÚDOS E PREÇO DO TREINAMENTO COMPLETO NO  EFT OFICIAL ESTÃO AQUI. 

 

ACADEMIA CLINICA
Raissa Schiavo
Raissa Schiavo Seguir

Terapeuta EFT e Optimal. Atendimento online e presencial. Contato: 34 98401-7739

Ler conteúdo completo
Indicados para você