[ editar artigo]

O pecável e o impecável

O pecável e o impecável

Há alguns dias não escrevo. Parece que no final de ano resolvemos “pagar nossos pecados” e correr muito pra isso acontecer. Pela nossa cultura nós temos uma imagem forte de pecado dentro de nós. Fale pra você baixinho esta palavra e vai ver que aparece na sua mente tudo que você fez de condenável até hoje e seu coração estremece de vergonha. Sempre temos em nós coisas que não é tão fácil perdoar. Pequenas e grandes. Legais e ilegais. As religiões procuram aliviar este peso que carregamos com confissões, dia do perdão, etc mas a transformação interna  e o verdadeiro perdão interno nem sempre  se produzem apenas com estes rituais.

Aqueles que nós consideramos como sendo nossos pecados, que nos incomodam em parte ao nível consciente, quando nos lembramos deles, em parte ao nível inconsciente, quando sonhamos com perseguições e ataques, estão sempre no mais recônditos cantinhos do nosso ser. São aquelas ações das quais não nos orgulhamos. Aquelas coisas "feias"que fizemos e que quando levamos uma porrada qualquer da vida, pensamos "Será que é um castigo por aquilo que fiz?"

Um paciente me dizia que pecado é aquilo que não se posta nas redes sociais... Isso mesmo, é aquilo que só aparece quando, já a um bom tempo em terapia, o paciente se sente confiante e aí se alivia muito podendo contar o que fez de ilegal, de imoral ou simplesmente o que fez que escapou a seus valores e princípios. 

Eu acho muito importantes estes momentos da terapia em que o paciente nos conta sua lista de pecados. Ele ultrapassa sua vergonha, escapa do seu falso self,  de sua máscara-instagram-facebook e do medo da imagem que o terapeuta terá dele e tira o pys que inflama seu coração contado o que considera seus erros graves.

O alívio do paciente virá nem quer sejam pecados como encontrar uma câmera no chão de um carro alugado e ficar com ela em vez de devolver no balcão da locadora. Ou pecados que envolvem uma conotação legal e social forte como um aborto. É muito importante um processo terapêutico mais longo para que o compartilhamento dos pecados que  agoniam e atolam o paciente à espera da punição possa acontecer. E só quando o processo terapêutico chega neste nível de profundidade  e intimidade confiante onde o paciente pode compartilhar o que mais o atormenta e o envergonha é que realmente uma liberação acontece.

Nós, como terapeutas, precisamos saber como acolher essas confissões sem entrarmos na confusão do medo do beco sem saída. Se a pessoa buscou um aborto,  homem ou mulher, este ato não poderá ser refeito. Foi um pecado cometido  mas nós, como terapeutas, temos como ajudar o paciente a desatolar no pântano da culpa eterna. Esta seguramente bloqueia o fluxo da vida do paciente para que  ele realize seu sonho. Sempre podemos ressignificar aquilo que o paciente sente como um erro fatal. Tive mesmo um paciente que me contou que guardava há anos este segredo de ter cometido o que ele sentia como um  enorme pecado: buscara um aborto para uma gravidez indesejada na sua juventude. Até hoje sofria de uma culpa que o impedia de chegar aonde queria na vida. 

Conversamos muito sobre erros. Como aquilo que é considerado um erro é condicionado pelo momento, historicamente e culturalmente, isto é um primeiro passo para começar a suavizar o peso do erro, socialmente falando. Mas o aborto é um erro ou um pecado porque feria os valores religiosos do paciente,  o que o tornava um juiz de si mesmo, condenando-o para toda eternidade. Confessou com um padre até, mas nada aliviava a culpa. Conversamos então sobre a possibilidade de podermos olhar o erro como aquele tranco que nos tira da acomodação que vivíamos e nos abre uma porta para uma transformação regenerativa de nós mesmos, transformando-nos radicalmente.

Se em vez de nos afogarmos na culpa sem saída pudermos  experienciar  como o erro causa nossa evolução, regenera nossa forma de vida, nutre uma nova visão do futuro, nos prepara para experiências mais consistentes com nossos valores e metas, teremos tirado algum benefício de nossos pecados e erros. E o perdão a nós mesmos é consequência inevitável, pois fica claro que fizemos o melhor que podíamos com os recursos que tínhamos naquele momento e, ao mesmo tempo, nos permitirmos  nos transformar internamente.  

Esta conversa aliviou muito a visão de si mesmo do paciente como  sendo um pecador sem saída. Mas o importante é dar o passo seguinte que é acolher em nós nossa dimensão espiritual que, segundo algumas fontes, é nossa origem e nosso destino. De alguma forma transcendemos este pecador que somos. Nossa natureza é paradoxal neste sentido. Este pecador que se move no espaço-tempo é uma de nossas dimensões e a outra, a nossa dimensão espiritual, é da ordem do im-pecável, ou seja é impecável  e perfeita sempre, pois é nossa conexão com a Presença, com o Divino, com o Transcendente em nós e para além de nós. Isso não é tão fácil de compreender, mas é nesta dimensão que o Optimal EFT, por exemplo, irá operar. Esta dimensão espiritual em nós, se acessada, nos leva a reconhecer o erro cometido por nossa dimensão no espaço-tempo, nossa dimensão psíquica e corporal e corrigir o nosso rumo, sem a necessidade do peso da culpa. Mas, ao contrário, com a dádiva da compaixão. Foi bem interessante quando o paciente que havia retido a câmera achada no carro se observou e percebeu que o próprio fato de saber que poderia ter agido de forma mais ética lhe aliviava a culpa e lhe permitia reconhecer em si seu pertencimento também a esta dimensão espiritual.

O que posso dizer é que este paciente, ao ir compreendendo tudo isso, foi se sentindo muito aliviado e como que se amando, com todos seus erros, se perdoando e compreendendo que as portas de transformação de si que seu pecado lhe abriu talvez jamais lhe teriam sido abertas sem a experiencia do erro e de ter se debruçado sobre ele com a presença de alguém que o acolhe, sem julgamento.

 

TODAS AS INFORMAÇÕES SOBRE OS CONTEÚDOS E PREÇOS DOS NOSSOS CURSOS ESTÃO AQUI
E APROVEITE PARA SE INSCREVER AGORA, COM OS GRANDES DESCONTOS DA PROMOÇÃO NATAL/ANO NOVO! 

ACADEMIA CLINICA
Sonia Novinsky
Sonia Novinsky Seguir

Psicoterapeuta . Diretora do Centro Gary Craig de Treinamento em EFT Oficial no Brasil. Atendimento on line e presencial. Supervisão em grupo para EFT Oficial ( tapping e Optimal). Práticas grupais de EFT. Contatos pelo whats: 11999941415

Ler matéria completa
Indicados para você