[ editar artigo]

O primeiro encontro com o paciente

O primeiro encontro com o paciente

Tudo, literalmente tudo, que acontece nos encontros terapêuticos é delicado, relevante, esclarecedor.  Cada detalhe do que acontece, desde que você recebe um recado, uma mensagem, um email, um telefonema de alguém querendo marcar uma consulta ou pedir informações, tudo é significativo. E no primeiro encontro você já terá elementos importantes para conhecer a questão central do paciente, seu estilo de ser, seu idioma pessoal  e poderem juntos encaminhar a tarefa terapêutica do par.

Para mim a primeira  sessão é a que exige de mim mais foco e atenção. Tanto que marco uma entrevista inicial por semana, no máximo. Tomo notas durante a entrevista, quando o paciente sai coloco no papel minhas impressões e procuro pensar no caso todos os dias alguns minutos até o próximo encontro.

Como este paciente chegou até nós? Isso é muito relevante, pois o quanto ele confia na pessoa que nos indicou nos diz o quanto vai ser fácil ele confiar em nós e criar o vínculo.

Antigamente o  primeiro contato era por telefone a partir da indicação de alguém. Hoje o paciente nos acessa por email ou whats, nos acha na internet, no google, nas redes. Todas estas diferenças interferem no processo e no tipo de vínculo que se cria. O comprometimento é mais fluido quando nos encontram sem nenhuma indicação pessoal e temos que criar com mais cuidado confiança e vínculo.

Mas não importa o canal de acesso, a pessoa se revela muito no primeiro contato, na primeira troca de mensagens ou na primeira conversa telefônica. Temos que atentar, observar, anotar tudo que acontece ao nível do conteúdo e ao nível da forma, do estilo.

A partir desdas mudanças de formas de acesso e de comunicação é preciso também mudar alguns de nossos procedimentos iniciais.  Por isso, quando a demanda é por terapia presencial  e  não tenho referência da pessoa eu acho prudente  passar um questionário bem completo.  Isso me deixa mais tranquila porque tenho todos os dados que preciso para saber que é pessoa idônea e, também, para me preparar para a entrevista. Pela internet acontece de aparecer pessoas com traumas de infância muito dramáticos. Pessoas que, desesperadas com vidas atormentadas, sem ter onde procurar ajuda, vão nos sites de busca.

 No caso de atendimentos online  o questionário também é bom porque me ajuda a ter um grau maior de conhecimento da linguagem, das metáforas, das questões, o que facilita bastante a intimidade, já que o fato de ser online nos distancia um pouco do paciente, pelo menos no início.

Geralmente a primeira consulta presencial ou online é uma entrevista onde se vai combinar como será o trabalho do par. Neste sentido é uma oferta do terapeuta, sem pagamento do paciente.

Na primeira consulta (que de verdade já começa com o contato para agendamento) é muito importante que o terapeuta sinta o que o paciente traz para o encontro a nível verbal, visual, auditivo, sensorial. Ou seja, preste atenção a como ele se expressa em todos estes níveis, ocupando o espaço (local da consulta) e o tempo (horário gratuito) oferecidos pelo terapeuta.

Gilberto Safra uma vez, numa aula sobre clínica, disse: nós não temos memória, nós somos memória. Isso quer dizer que tudo que o paciente  presentifica com suas palavras e  atos, com seu movimento corporal, sua aparência, seu cheiro, sua respiração, sua ocupação do tempo e do espaço, sua expressão facial, seu ritmo, expressa seu passado, suas questões, seu idioma pessoal, o que precisa trabalhar. Por isso cada detalhe que nos impacta é pleno de mensagens que precisamos decifrar.

Mas o paciente também traz para a primeira entrevista uma esperança em cada um destes elementos expressivos que revelam qual futuro almeja, que sonho possui. Assim, na primeira consulta, podemos ver no aqui agora da sessão, como esta pessoa chegou até aqui, com que dores e sofrimentos e para onde precisamos ajuda-la a caminhar. Perceber tudo isso é uma questão de treino, de prática aliada à uma  abertura empática para o paciente.

Há muitos outros elementos que acontecem na primeira consulta. O paciente sempre chega muito ansioso, com medo, porque é muito risco e muita vulnerabilidade se abrir para um estranho. O cuidado em acalmar esta ansiedade, criando confiança e vínculo são essenciais. Contudo precisamos atentar para motivar o paciente  sem criar um apego excessivo, como se o terapeuta fosse um mágico salvador. Dar alento  à esperança que o paciente traz (sem esperança são poucos que procuram um terapeuta), modular o medo, evitar um apego excessivo são três cuidados importantes na primeira sessão.

A primeira consulta não deveria ser mais longa que as demais. Uma hora é o tempo justo para uma primeira sessão de entrevista gratuita, suficiente para colhermos as informações que precisamos e respondermos ao paciente de modo a sintetizar o que percebemos, finalizar e encaminhar os próximos passos do tratamento. Precisamos também introduzir uma proposta de trabalho para o par e o enquadre/contrato consequente. Num próximo email falarei um pouco mais deste tópico fundamental que é o enquadre e o contrato. O mais sutil é o mais importante neste primeiro encontro: deixar o paciente confiante que terá acolhimento para suas dores e que pode voltar porque sua esperança de futuro estará preservada.

TODAS AS INFORMAÇÕES SOBRE OS CONTEÚDOS E PREÇO DO TREINAMENTO COMPLETO NO EFT OFICIAL ESTÃO AQUI  

 

ACADEMIA CLINICA
Sonia Novinsky
Sonia Novinsky Seguir

Psicoterapeuta . Diretora do Centro Gary Craig de Treinamento em EFT Oficial no Brasil. Atendimento on line e presencial. Supervisão em grupo para EFT Oficial ( tapping e Optimal). Práticas grupais de EFT. Contatos pelo whats: 11999941415

Ler matéria completa
Indicados para você