[ editar artigo]

"O que falta em mim?"

Uma mulher de 24 anos me procurou por ter “dificuldade em relacionamentos amorosos”. Em todos os namoros que teve foi rejeitada. E o fim foi sempre trágico.

É bonita, gente boa, simpática, mas não “consegue” um namorado. “Não sei o que falta em mim!”, ela me diz e ri ao mesmo tempo. “Esse final de semana tinha um cara legal a fim de mim, fiquei com ele, mas sei lá, não vai rolar nada mais.”

Então eu respondi a ela: deve ser que esse iria te valorizar! Ela riu, mas depois fez uma cara de que não entendeu muito bem. Eu expliquei: você só se interessa por homens que não te valorizam!

E é realmente isso que acontece. Os que realmente querem alguma coisa com ela nunca tem graça. Os bons são os que abandonam-na, os que traem, os que enganam, que rejeitam.

Num trabalho de investigação mais profundo da sua biografia, vi que ela sofreu muito com pais que não cuidaram dela. Houve um abandono afetivo. O casamento deles era bem conflituoso. O pai sumia de casa atrás de mulheres e a mãe ficava a esperar, sofrendo. E quando ele voltava, ela acreditava sempre que dessa vez ele fosse mudar. Ele preferiria ir embora e ficar com qualquer outra mulher do que ficar com a esposa e a filha. Não se importava com elas.

O pai não olhava pra ela, não a valorizava, então ela concluiu que não tinha valor. E é por isso que procura homens que não a valorizam, porque na verdade ela se sente um lixo.  

Os pais também sempre desestimularam a estudar. Quando ela era criança disse para o pai que queria estudar e fazer um curso superior. Ele riu e disse que filha de pobre não dá conta de fazer faculdade. “É melhor se casar com um homem rico, minha filha”, repetiu a mãe a vida inteira. Como uma filha obediente, ela trancou a matrícula numa universidade pública e estava seguindo os conselhos da mãe sem se dar conta disso. No trabalho terapêutico ela pôde enxergar. E ficou horrorizada! “Que vergonha!! Eu estou correndo atrás de homens. Minha vida tem sido isso há pelo menos 6 anos.” 

Ela não consegue ter um projeto de vida, ainda está querendo preencher esse buraco com um homem ou com dinheiro (porque acredita que se ganhar dinheiro a vida vai melhorar). Então fica buscando um homem rico.

Ela fica mal quando reconhece que está repetindo os passos da mãe que ela sempre criticou. Desde novinha era claro pra ela que a relação dos pais não era saudável. Tentava abrir os olhos da mãe e agora ela se vê fazendo o mesmo.

Ela tomou consciência (que já é um passo), mas ainda está muito presa nessa carência. Quando pergunto a ela como ela quer estar quando estiver mais velha, ela responde: com um velhinho, não quero estar sozinha!

Sonia comentando: Raissa, concordo que ela repete com os homens o que ela viveu com o pai . As mulheres de fora de casa eram as que tinham valor, assim sentia. Fratura ética: direito a hospitalidade e confiabilidade do seu próprio valor. Isso quebrou. Quando há uma fratura ética, se perde potência para ocupar um lugar no mundo e se passa a depender de uma fonte externa a nós de forma excessiva. E se repete essa adição. No caso dela é o aderir à quem a despreza porque não se coloca com dignidade própria na relação. Vai seduzindo demais, controlando demais, pedindo demais. O outro se sente sufocado e sem desafios e perde o desejo. O amor romântico é muito cruel sempre porque instável e baseado numa resposta automática do ser humano de busca de mais Ser. Automática porque sem consciência de onde buscar esse mais Ser. Então se busca numa mulher nova, num carro novo, num celular novo etc.  Não vai nenhuma crítica aqui, apenas comento fatos. O amor romântico traz em si a ilusão do final da solidão. Mas ele é muito instável. E a solidão humana tem um ponto em que existirá sempre, o que podemos é aprender a viver com ela e trazermos para dentro de nós a presença de  pessoas que nos amaram sem condições, nos amaram com amor-doação, o único verdadeiro Amor porque não pede nada em troca. E a esse amor temos direito em nossa infância. Sua paciente teve está fratura ética porque seu direito foi quebrado. Natural que ela não queira ficar velhinha sozinha. Mas ilusão que será um amor romântico que lhe diminuirá a solidão. Bjs

ACADEMIA CLINICA
Raissa Schiavo
Raissa Schiavo Seguir

Terapeuta EFT e Optimal. Atendimento online e presencial. Contato: 34 98401-7739

Ler matéria completa
Indicados para você